6 e 8 de junho | 08h45 às 17h30| Covilhã e Guarda

“Diabetes no Centro”

Covilhã e Guarda recebem reunião para debater o tratamento da diabetes na região Centro

No dia 6 e 8 de junho a Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD) e o Programa Regional da Diabetes da ARS do Centro organizam, entre as 08h45 e as 17h30, no Hotel H2otel na Covilhã (6 de junho) e no Hotel Lusitânia Guarda (8 de junho), uma reunião formativa dirigida a profissionais de saúde para analisar a aplicabilidade e a eficiência dos planos de saúde nacionais na área da diabetes, o tratamento em Portugal e acesso à inovação, em particular no centro do país. Esta reunião faz parte de um ciclo de sessões que começaram em abril em Leiria e que irão realizar-se até ao final do mês de junho em várias cidades da região.

A Sociedade Portuguesa de Diabetologia, as UCFD do ACeS Cova da Beira, a ULS C Branco ( BIS e PIS), e a UCFD da ULS da Guarda convidam os médicos e enfermeiros da região a saber mais sobre a prevalência da diabetes em Portugal, bem como o estado dos planos nacionais para o diagnóstico, tratamento/acompanhamento e prevenção desta patologia que atinge já mais de um milhão de portugueses.

Neste ciclo de reuniões, os profissionais de saúde poderão aprofundar os seus conhecimentos sobre as complicações associadas à diabetes, os novos tratamentos para a diabetes e a temática “Diabetes em Portugal”. “O coração do diabético” será um dos temas centrais destas sessões uma vez que, segundo Hélder Ferreira, vice-presidente da SPD e coordenador do Programa da Diabetes da Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro “os problemas cardiovasculares que surgem associados à diabetes representam 50% das causas de morte nos doentes com diabetes tipo 2 – e podem representar a perda de 12 anos de vida”.

Hélder Ferreira explica ainda que “as novas terapêuticas para tratar a diabetes atuam particularmente na redução do risco cardiovascular nas pessoas com diabetes e introduziram um novo paradigma de tratamento, sendo por isso necessário conhecer e debater o impacto positivo destas mudanças na prática clínica de médicos e na vida dos doentes e cuidadores”.

“A pessoa com diabetes é por norma um paciente com multimorbilidade, o que implica polimedicação, com todos os benefícios e eventuais interações e efeitos secundários dos fármacos”. Muitos medicamentos são prescritos, dispensados ou vendidos de forma inadequada, levando à toma de forma incorreta e utilização de fármacos sem evidência científica. A conciliação terapêutica é uma atividade que visa aumentar a segurança do doente”.

Depois da Covilhã e Guarda, o Ciclo de Reuniões Formativas avança para Aveiro (14 de junho) e Lousã (22 de junho).