A matemática é a sua amiga! Como estimular a mente resolvendo contas

Quando crianças, muitos de nós já temos aptidões a serem estimuladas e pontos fracos a serem rejeitadas. Os estímulos de berço acabam ultrapassando as paredes de casa para entrar na porta do colégio, e assim seguir pela vida como jovem, adulto e idoso.

É assim nós nos “achamos” como pessoas, e posteriormente como estudantes e profissionais. O advogado lembrará de uma série de TV ou um filme que viu em seus anos formativos que o deixou deveras interessado no direito. O médico olhará para o vizinho que vez ou outra era visto usando seu jaleco médico em um atendimento pediátrico. E assim se segue.

Para a aptidão matemática, é o mesmo caminho. Entretanto, ele é por muitas vezes um campo rejeitado por sua curva de aprendizagem, que pode ser bastante íngreme.

Porém, sua significância vai bem além dos cálculos de engenharia e da modelagem econométrica. Ela também é altamente útil no nosso dia-a-dia e até no nosso lazer, mesmo sem percebermos.

Um caso bem comum para tal é a divisão de uma conta num restaurante. Não é incomum a cena de depois de um jantar com amigos, todos ficarem em alvoroço tentando encontrar a melhor forma de pagar o que foi gasto no encontro. Se algumas pessoas foram embora antes da conta ser paga, aí é que a coisa fica feia!

No campo das diversões, em atividades como jogar blackjack ou acompanhar futebol, a matemática também é chave. Para o desporto  bretão, a coisa vai bem além dos placards, ainda mais num mundo onde a contagem e a modelagem estatística avançam a cada dia.

E no campo profissional, mesmo o advogado ou o médico mencionado acima serão obrigados a lidar com as contas que quando criança lhes traziam aflição. Tem-se até um ramo da advocacia, que trata da consultoria de pagamentos para pessoas e empresas, onde o domínio matemático é imperativo!

Por isso que o estímulo à matemática e suas habilidades é algo indicado a ser feito desde cedo. Mesmo para o pequeno que torce o nariz quando lhe é pedido para fazer tarefas de casa usando maçãs e laranjas.

Para eles, existem métodos tradicionais e modernos de estímulo à habilidade matemática. Livros infantis sobre o assunto são altamente recomendáveis, assim como vídeos do YouTube e programas de TV que tem a intenção de ensinar aos miúdos as bases do assunto.

Aos que já estão mais crescidos, dá para ir além do básico. Um jogo antigo, porém altamente recomendável é o Brain Training para o Nintendo DS, que ganhou sequencias para o sucessor 3DS. Nele você tem uma série de mini-jogos no estilo quebra-cabeça para estimular mais sua memória e concentração enquanto soluciona problemas.

E para os mais velhos, as clássicas revistas de passatempos trazem a resposta. O jogo mais famoso neste formato voltado para a matemática é o sudoku, jogo de origem japonesa onde você preenche um quadrado com 81 espaços com números de 1 a 9, seguindo a regra de nunca usar o mesmo número em linhas e nem dentro dos quadrados 3×3 delineados nos problemas. Falando assim, parece ultracomplicado e chato, mas acredite — é exatamente o contrário!

A não ser que você tenha escolhido uma profissão onde a matemática é a base de tudo, ou que pretenda fazer algo que esteja nesse caminho, não será necessário aprender muito mais do que seu professor no ensino secundário lhe ensinou na sala de aula. Mas a vida mostra aquela insistência em finalmente aprender a fórmula de Bhaskara valerá muito além das difíceis provas de matemática de outrora.

Carlos Rocha