AS ONDAS QUE CAPTAMOS Por Humberto Pinho da Silva

Já repararam, que o nosso céu, o nosso espaço, é atravessado por imensas ondas de Rádio e TV, que se cruzam e se recruzam, percorrendo distâncias, quase infinita?

Não as vemos, é certo, nem as sentimos; mas existem.

Como os aparelhos de rádio e TV, captam as ondas, o nosso cérebro, também, sintoniza, não essas, mas outras, que não podemos ver, mas sentimo-las.

Nunca ouviram dizer: “ Anda qualquer coisa no ar! …”, referindo-se a mudança de regime ou calamidade? São “ondas” de boatos, de notícias tendenciosas, que a mente capta, e guarda no subconsciente.

Dizem: “ Está na moda”; “ Isto ou aquilo, é preconceito”; “Agora é assim.”; “Todos o fazem”…

E por que está na moda?!

Porque grupo de indivíduos, que têm o poder de influenciar, através da mass-media, conseguiu-nos hipnotizar, a tal ponto, que não somos capazes de pensar nem raciocinar, discernidamente.

Outrora, usavam a literatura; depois, o cinema; agora: a TV, Rádio e Internet.

Servem-se de tudo (até das telenovelas,) apresentando-nos cenas e atitudes indignas, para nos narcotizar. O hábito de as vermos, adormece os nossos valores (quando os há,) despertando o desejo de aceitar o que outrora rejeitávamos.

E aceitamos, porque não queremos ser considerados: retrógrados e antiquados.

Adotamo-nos, então, à realidade, ao que a maioria: aceita e acata.

Todavia, defendemo-nos, culpando: companhias e o meio ambiente. Sem dúvida, que as pessoas que conhecemos ou vivem na nossa cidade, exercem grande influência, no nosso modo de pensar e agir; mas, é bom lembrar: que cada um pode e deve, criar o seu próprio meio.

Se frequentarmos lugares sadios; se lermos livros edificantes; se assistirmos a espetáculos dignos; se escolhermos amigos respeitosos, edificaremos o nosso próprio carácter, com pensamentos positivos.

Claro que não é possível o isolamento, porque não somos uma ilha, nem isso seria útil; nem é necessário apartarmo-nos de tudo que é negativo; mas devemos pesar e confrontar tudo, com os nossos valores.

Ser responsável; ter princípios; ideias próprias; não se deixar levar pela corrente; e, muito menos, ser marioneta e imitador, é que forma o homem inteligente e de carácter.

Sejamos apenas nós próprios, e seremos felizes.