AZEITE PROTEGIDO, DE QUALIDADE E DO DOURO

Está em marcha um projecto ambicioso que terá Tabuaço como sede e que reconhecerá o Azeite do Douro como um produto de excelência e com Indicação Geográfica Protegida
Reconhecendo o azeite como um produto de características únicas no Douro, a Câmara Municipal de Tabuaço deu o primeiro passo, ao sentar à mesma mesa autarquias, cooperativas e o sector privado, tendo em vista a criação de uma Associação sem fins lucrativos que o promova e faça a sua gestão enquanto produto de Denominação de Origem Protegida – DOP ou Indicação Geográfica Protegida –IGP.
Numa primeira fase, será criado o CEPAD – Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Douro – avançando-se, posteriormente, para a acção no terreno, fase na qual será necessária uma caracterização do azeite estando esse trabalho a cargo de uma equipa de técnicos do Instituto Politécnico de Bragança e da UTAD, equipa liderada por Francisco Pavão, um dos nomes incontornáveis no que toca à divulgação dos Azeites de Portugal.
Acima de tudo, a ideia do projecto assenta na qualidade como elemento chave pelo qual o Douro se pode diferenciar das outras Regiões. O vinho é, sem dúvida, a imagem da Região tendo os seus produtores, ao longo de décadas, conseguido estabelecer os seus próprios canais de venda e de promoção mas o Douro também é azeite e, por isso, defende Carlos Carvalho, autarca tabuacense, : “é necessário recuperar o olival e potenciar a sua promoção e divulgação, sem esquecer a sustentabilidade ambiental”.
O processo de criação e desenvolvimento deste projecto teve início em 2017, tendo no passado dia 29 de Janeiro sido dado mais um passo, com a realização de uma reunião de trabalho, para que este Centro de Estudos seja, ainda no decorrer do primeiro trimestre de 2018, uma realidade na Região, e que venha a beneficiar pequenos e grandes produtores de um dos produtos que, sendo característico do Douro, se quer de excelência.