Balanço das Eleições Europeias-Bloco de Esquerda

Embora registando mais 30 000 votantes relativamente às últimas eleições europeias, a tónica por grande parte das análises nos meios de comunicação social tem sido colocada na abstenção raras vezes se referindo que estas eleições contaram com mais de um milhão de novos/as recenseados/as.

Sendo verdade que os números da abstenção são preocupantes, impunha-se reflectir nas suas causas que no entanto vêm sendo escamoteadas, não havendo qualquer referência, por exemplo, às promessas sucessivamente traídas pelos chamados partidos do arco do poder, actuação esta que cria nos/as eleitores/as a sensação da inutilidade do voto e da pouca relevância de ser este ou aquele partido o protagonista da governação.

Neste contexto, os resultados do Bloco de Esquerda no distrito de Viseu, à semelhança do que aconteceu no todo nacional são notáveis, tendo em conta que se difundiu a ideia  – que os media não tentaram contrariar – do partido partilhar o poder, como se de uma coligação se tratasse quando, como é sabido, a viabilização do governo se deu por via de acordos parlamentares com as limitações inerentes a essa solução. Mais notável ainda se nos lembrarmos da emergência de novos partidos que disputaram o espaço político onde o BE sempre se posicionou, reivindicando – apesar de escasso ou nulo activismo causas tão diversas como o ambientalismo, os direitos LGBTI ou os direitos dos animais.

Esta votação, além de aumentar a representatividade do Bloco de Esquerda no Parlamento Europeu, representa para o Distrito a esperança de uma alternativa aos Partidos que sempre ocuparam os assentos da Assembleia da República e que vêm traindo sucessivamente o seu eleitorado viabilizando as portagens electrónicas, não cumprindo as promessas feitas quanto à implementação do acesso à rede ferroviária nacional, retirando serviços públicos essenciais a várias localidades do distrito e desprezando o equilíbrio ambiental, quer por políticas florestais erradas que criaram condições para incêndios apocalípticos, quer por indiferença diante da poluição das linhas de água por indústrias desrespeitadoras das normas europeias e nacionais, a que se soma agora a ameaça de minas a céu aberto que sob o pretexto da exploração do lítio, colocam em risco os ecossistemas e a vida das populações mais próximas das explorações previstas.

Continuaremos portanto a travar as lutas de sempre em prol das nossas populações, defendendo o trabalho com direitos, prosseguindo a luta iniciada em prol de quem trabalha por turnos, lutando contra a precarização laboral e pela recuperação de serviços públicos perdidos, pelas acessibilidades, pelo estabelecimento de um estatuto que reconheça e apoie os/as cuidadores/as informais, pela  diversidade, os direitos humanos com enfoque especial nos direitos das mulheres das comunidades LGBTI, do ambiente e direitos dos animais, opondo-nos aos espectáculos degradantes como as touradas, garraiadas, utilização de animais nos circos e fazendo pressão para que se cumpram as leis e se apliquem as verbas previstas para impedir o abate de animais de rua e assegurar condições dignas aos que vivem nos canis e gatis municipais. Lutaremos ainda contra a violência de género e doméstica, por uma cultura de paz solidariedade e harmonia social.

 

Pel’A Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda