CÂMARA APOIA A PRÁTICA DESPORTIVA COM MAIS DE 900 MIL EUROS

O Presidente da Câmara e a Vereadora do Desporto assinaram, no Multiusos de Vila Chã de Sá, 29 contratos programa de desenvolvimento desportivo. Estes 29 programas de desenvolvimento desportivo, apresentados pelos clubes, traduzem-se em quase 650 mil euros em apoio financeiro direto, aos quais acresce o apoio não financeiro, assim ultrapassando os 910 mil euros.

Este apoio do Município permite o apoio à atividade física regular e

orientada de 3611 atletas federados e não federados, em quase duas dezenas de modalidades.

Almeida Henriques, Presidente da Câmara de Viseu, sublinhou “a importância desta aposta na juventude e da relação de cooperação estratégica com o movimento associativo desportivo do concelho” relembrando a dinâmica do envolvimento dos jovens no desporto no concelho, que faz com que Viseu tenha 30% de atletas federados.

O autarca aproveitou a assinatura pública para anunciar que o combate ao sedentarismo foi eleito como prioridade para o ano. E que no Plano Municipal para a Atividade Física, que irá ser apresentado no primeiro semestre deste ano, estará patente a vontade de fazer de cada viseense um cidadão mais ativo e saudável.

Durante a assinatura, os clubes e associações foram convidados a ajudar a autarquia a construir o programa de Apoio ao Movimento Associativo de 2019-2021. À semelhança do que tem acontecido nos últimos anos, será

feito em parceria e com a colaboração de todos. Para este triénio o combate ao Bullying no desporto será prioridade. Valorizando os clubes cujos dirigentes e técnicos participem em ações de formação nesta área, que promovam campanhas e ações juntos dos atletas e seus familiares. E garantindo que aqueles que adotem planos de valorização de ética desportiva serão valorizados.

O Presidente da Câmara de Viseu sublinhou a importância que a autarquia dá ao desporto, lembrando que na nova orgânica até se autonomizou o desporto numa divisão independente e que, no último ano, se investiu quase 3 milhões de euros naquela subsecção.

Cristina Brasete destacou “a rede desportiva e a dinâmica dos agentes que têm sido fundamentais para o fomento e a qualidade da prática desportiva, para a formação, para a inclusão social – nomeadamente de seniores e de cidadãos portadores de deficiência. Dimensões que continuarão a ser uma prioridade”.

 O autarca deixou ainda a garantia de que se vai continuar a apostar na igualde de género nas oportunidades de acesso à prática desportiva.  Entre 2015 e 2017 o numero de atletas do género feminino aumentou 13%. “Continuaremos a fazer uma diferenciação positiva nos apoios à prática dirigida ao género feminino.” Esta visão continuará também a privilegiar a prática desportiva nas freguesias periurbanas e rurais, diferenciando positivamente, também, essas zonas onde há menor oferta de prática desportiva. Passou a haver mais 35% de atletas nas freguesias periurbanas.

Almeida Henriques terminou com a certeza de que “a insuficiência económica nunca será um constrangimento no acesso ao desporto. Desde 2014 aumentámos 31% o apoio financeiro, oferecemos 7 novas modalidades apoiadas e demos mais 12% de apoio não financeiro, nomeadamente na isenção de taxas de utilização das instalações desportivas municipais.”