CDS-PP quer estatuto de benefícios fiscais para o interior

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, disse ontem em Viseu que o interior deve ter um estatuto de benefícios fiscais, com reduções no IRS, no IRC ou nas portagens.

“Temos uma proposta muito forte para o interior, com um verdadeiro estatuto de benefício fiscal para o interior. Queremos que, quem mora no interior do país e quem tem as dificuldades de estar longe do litoral e dos grandes centros, deve poder ter benefícios”, defendeu a líder, no decorrer de uma visita à Feira de São Mateus, em Viseu.

Entre estes benefícios, Assunção Cristas destacou três exemplos: “poder pagar metade de IRS, as empresas devem pagar 10% do IRC e deve haver descontos nas portagens”.

“É um pacote que tem de ser negociado com Bruxelas, mas que precisa de vontade política para que possa ver a luz do dia. O CDS já o apresentou na última legislatura e infelizmente foi rejeitado, mas continua a ser uma grande bandeira do CDS neste programa eleitoral”, assumiu.

A líder revelou a “grande preocupação” do partido com as questões do interior, como a agricultura ou a água, uma vez que o objetivo, com os compromissos assumidos, é “libertar as pessoas, às vezes, de um estado que as oprime e dar-lhes condições para sonharem e concretizarem os seus sonhos e os seus projetos familiares, pessoais e profissionais e de vida”.

“Precisamos de apostar nas adaptações às alterações climáticas e, por isso, temos de ter uma lei do clima que olhe, por exemplo, para os investimentos que é preciso fazer na área da água e para esta região que são extraordinariamente importantes, porque sabemos como Viseu, ainda no ano passado, teve dificuldades no abastecimento da água”, lembrou.

Preocupações que têm sido levadas ao Parlamento pelo único deputado do CDS/PP, Hélder Amaral, eleito pelo círculo de Viseu que, distrito que até à data elegia nove deputados e, nestas eleições de 06 de outubro, elege oito assentos parlamentares.

“Sabemos que é difícil eleger, quando os círculos eleitorais elegem poucos deputados. Se estivermos a falar de dois, três, quatro ou cinco deputados é difícil, mas não é por isso que nós deixamos de ter uma voz muito ativa e muito firme em defesa do interior do país”, considerou a líder do partido.

Neste sentido, não poupou elogios ao deputado e disse que o partido está a trabalhar para o manter no Parlamento, uma vez que acredita que “o Parlamento ficará muito mais pobre se não tiver o Hélder Amaral com uma voz sempre ativa e combativa a defender o interior” do país.

“Aqui em Viseu queremos manter o nosso deputado, sabemos que é preciso termos o Hélder Amaral para com convicção, com propriedade, com conhecimento de causa levar as preocupações do interior do país e debater-se por um verdadeiro estatuto de benefício fiscal para o interior, bater-se pelo alteamento da Barragem de Fagilde”, exemplificou.