Exposição permanente ganha novas dimensões, resultado do projeto da BINAURAL “Viseu Rural 2.0”. Exposição “[Re] expressar o rural”

É hoje a inauguração da exposição “Viseu Rural 2.0: [Re] expressar o rural”, no Museu Etnográfico da Várzea de Calde, criada pela BINAURAL – Associação Cultural de Nodar, com o apoio do Município de Viseu, no âmbito do programa “Viseu Terceiro”.

A abertura vai contar com o Presidente da Câmara de Viseu que a irá visitar juntamente com o Vereador Jorge Sobrado e o curador Luís Costa.

A exposição criará, na prática, uma instalação sonora e multimédia na exposição permanente do Núcleo Museológico Casa de Lavoura/Oficina do Linho, resultante de um trabalho “in loco” de registo e contacto com a comunidade local da freguesia, as suas tradições, património e identidade.

O ciclo, o tear e as artesãs do linho, o último ferreiro forjador da aldeia de Paraduça, a tradição do “Toco de São Francisco”, a cozinha tradicional de Várzea,bem como a paisagem natural da Freguesia, são alguns dos temas-base das obras concebidas para a exposição permanente. Luís Costa investigador e educador sonoro é o seu autor/realizador .

Para o Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques, “estes são trabalhos artísticos especialmente relevantes para o objetivo de salvaguardar e promover o património rural material e imaterial de Viseu”.

Para além do conjunto de obras sonoras e videográficas que passarão a integrar o espólio permanente do Museu, e que acrescentam novos significados e interatividade, a exposição dará ainda a conhecer uma série temporária de criações artísticas contemporâneas especificamente desenvolvidas por artistas nacionais e internacionais, com base no património da Freguesia, nomeadamente Alma Sauret, David Prior, Frances Crow, Manuela Barile, Nacho Muñoz, João Farelo e Luís Costa. Estes conteúdos temporários estarão patentes até ao final de agosto de 2018.
A. Pimentel