Gerontologia em debate em Tondela

O Município de Tondela promoveu, no dia 17 de maio, o 6º Seminário de Gerontologia, intitulado “A vós, a voz dos avós – Cidadania, Saúde e Qualidade de Vida”, que decorreu no Auditório Municipal de Tondela.

A sessão de abertura contou com o presidente da Câmara Municipal de Tondela, José António Jesus, que aludiu à questão do declínio populacional, em que se prevê que, nos próximos anos, Portugal poderá vir a perder cerca de dois milhões e meio de população. 

“O nosso país têm um problema dos mais sérios para resolver. Daqui a trinta anos, para cada 14 jovens teremos o dobro de idosos. Cada vez mais terá de se investir em modelos de sustentabilidade adicionais, com apoio de vizinhanças, redes de cuidadores informais, programas de envelhecimento ativo, como o Saúde em Dia do Município de Tondela, projetos de ocupação e rentabilização dos recursos que esta população pode oferecer, como o voluntariado, que permitirá reduzir o custo associado ao funcionamento dos serviços”, referiu.

No seu entender, viver mais tempo é uma virtude. “Ter  qualidade de vida é um desafio”, acrescentou.

Ainda na sessão de abertura, a diretora do Centro Distrital de Segurança Social de Viseu, Márcia Martins; e o diretor executivo do ACES Dão Lafões, António Cabrita Grade, enfatizam a importância da temática em discussão, uma vez que há claros indicadores do envelhecimento da nossa população.

De acordo com as estatísticas, o índice de envelhecimento duplicará, sendo determinante debater estratégias de melhoria da qualidade de vida deste público.

O primeiro painel da manhã esteve a cargo de Sandra Barradas, que fez refletir sobre o que cada um dos presentes quer ser quando for mais velho, uma vez que parte dos nossos idosos não são dependentes (apenas 5% o são), tendo ainda autonomia para contribuir para o desenvolvimento da sociedade, mantendo a sua própria vida ativa.

Já Natália Cardoso alertou os presentes para os sinais da violência nos idosos, uma realidade que tem vindo a crescer nas várias modalidades possíveis: negligência, violência psicológica, violência financeira, violência sexual ou violência doméstica. 

Mário Frota avisou para os embustes em que os idosos são muitas vezes envolvidos, e que são verdadeiramente preocupantes pelas consequências que acabam por trazer nas suas vidas.

A fechar a manhã, João Araújo apresentou a filosofia da humanitude, mostrando a importância das relações afetivas no desenvolvimento harmonioso de qualquer ser humano, bem como nos cuidados a prestar aos idosos. 

Durante a tarde, foram abordadas as questões da “sensualidade e sexualidade”, com apresentação de um trabalho desenvolvido pela Universidade Sénior de Tondela, feito na primeira pessoa. 

Também o psiquiatra Fidalgo Freitas abordou a temática, aludindo à importância da aceitação do corpo e dos afetos em qualquer faixa etária.

Já Elisa Borges sensibilizou para os direitos que se vão adquirindo até determinada idade e que, sem explicação, a partir de certa idade são retirados, diminuindo a possibilidade de escolha, só porque envelheceu.

A encerrar, o reconhecido médico José Eduardo Pinto da Costa (Instituto de Medicina Legal do Porto), com uma intervenção sobre o futuro do envelhecimento, reforçando a importância do envelhecimento ativo, com o devido contributo dos serviços sociais e de saúde. 

Ao longo do dia, foram ainda proporcionados momentos culturais, adequados ao tema do seminário, a cargo do “Bardus” – Casa do Povo de Tondela e Trigo Limpo Teatro Acert.