Meio milhão de euros para 16 projetos culturais independentes de Viseu

A Câmara Municipal de Viseu aprovou em sessão pública o financiamento de meio milhão de euros a 16 projetos culturais independentes para o ano de 2017, no âmbito do programa de apoio à cultura e criatividade “VISEU TERCEIRO”. A maior verba vai para os “Jardins Efémeros” (na foto)
Do portefólio de projetos aprovados, seis são projetos “consolidados” na agenda cultural e anual de Viseu, e recebem apoio financeiro na ordem dos 331 mil euros. Os restantes 10 constam como iniciativas “emergentes” e colhem um valor de financiamento direto de 168 mil euros.
Tendo em conta os apoios não financeiros às entidades, em isenção ou redução de taxas municipais, cedência de meios técnicos e logísticos e outros serviços, a tranche de financiamento municipal cresce em cerca de 77 mil euros. Soma-se assim um valor global de comparticipação na ordem dos 577 mil euros para o ano 2017.
A listagem de projetos promete um cartaz de iniciativas culturais para Viseu, nas mais diversas áreas artísticas, da dança à fotografia, teatro, música, cinema, património, entre outras.
O projeto “Jardins Efémeros”, da organização da Pausa Possível – Associação Cultural e de Desenvolvimento, conquista a maior “fatia” global de apoios na lista dos “consolidados”, na ordem dos 135 mil euros.
Já o Festival Internacional de Música da Primavera, promovido pela Proviseu/Conservatório Regional de Música Dr. Azeredo Perdigão, beneficiará de um apoio global de 105 mil euros. Destacam-se ainda nos projetos consolidados o Festival Outono Quente, o VistaCurta, o Festival de Jazz de Viseu e o 48 ShortMedia.
No conjunto dos projetos emergentes, a “Feira e Mercado Lusitano”, da Escola Secundária de Viriato, e o Fujifilm – Festival Internacional de Fotografia de Viseu, promovido pela Chappa – Produções Fotográficas, lideram os projetos com maior apoio global, na ordem dos 30 mil euros.
Com apenas uma comparticipação global de 6750 euros, mas no topo da classificação de projetos emergentes, está o projeto “Dança, Tradição e Identidade”, da Escola de Dança Lugar Presente.