Museu de Lamego viaja até Timor com a peça e livro do mês de maio

Um livro e uma peça alusivas a Timor evocam em maio os 500 anos da viagem da circum-navegação. Desde o início do ano que o Museu de Lamego navega pelo mundo à boleia da sua coleção em “12 Meses 12 Peças” e “12 Meses 12 Livros”, à procura de conexões que evoquem o imaginário das viagens.

 

Uma vez por mês, o museu dedica um olhar mais atento a um objeto, recordando que a cidade de Lamego tem sido terreno fértil no contributo de homens e mulheres, cujos percursos os levaram à América, à África, à Ásia.

 

É neste contexto que o Museu de Lamego destaca em maio uma miniatura em filigrana de prata representando uma casa timorense, típica de Lospalos, oferecida pelo povo de Timor-Leste, aquando da sua independência, ao último Governador e Comandante-Chefe português – Major General Lemos Pires, que exerceu o cargo entre novembro de 1974 e abril de 1976. Já em 2012, em cerimónia pública, a peça foi doada ao museu pela viúva, D. Maria Theolinda Queiroz Barrento Lemos Pires, juntamente com a carta oficial de pesar assinada por Xanana Gusmão, primeiro ministro da República Democrática de Timor-Leste

 

Reproduzindo a forma da habitação timorense, esta peça propõe uma viagem para o habitat e modus vivendi timorenses, ao mesmo tempo que estabelece uma ponte com a expressão identitária da ourivesaria portuguesa, a filigrana.

 

Também em maio continua a viagem pelos livros da Biblioteca do museu, com destaque para «Timor Imperativo de Consciência», da autoria de Jorge Vasconcelos, publicada em 1992. Obra de intervenção, pretende defender do povo timorense e alertar a Comunidade Internacional para o seu esquecimento. A obra apresenta ainda o quotidiano do povo timorense, recorrendo a numerosas ilustrações, onde são retratados os cânticos, a agricultura, as festas das colheitas, o mercado, as religiões tradicionais e os vários grupos étnicos e linguísticos.