Museu do Caramulo reforça núcleo de Arte Chinesa

arte-chinesaO Museu do Caramulo reforçou o seu núcleo de Arte Chinesa, ao integrar, no seu acervo, um Covilhete do período da Dinastia Qing (1644-1911).
A decoração do Covilhete, representativa da Família Verde, caracteriza-se pela inclusão de esmaltes policromos sobre cobre, com a predominância do esmalte verde sobre as outras cores. A Dinastia Qing foi a última dinastia imperial da China, sucedida pela República da China.
Para Tiago Patrício Gouveia, Director do Museu do Caramulo, “esta doação vem enriquecer o actual espólio de arte chinesa do museu, simbolizando o espírito altruísta dos coleccionadores que está na génese do Museu do Caramulo”.
Doado ao museu por António Bela Morais Patrício Gouveia, o Covilhete já se encontra em exposição, podendo ser visto de terça-feira a domingo, durante o horário de expediente do museu.