O património de Viseu da pré-nacionalidade em livro

Obra coordenada por Catarina Tente marca o arranque da coleção editorial do projeto “Viseu Património”

Os resultados do congresso “Do Império ao Reino – Viseu e o Território (Séculos IV a XII)”, realizado em abril de 2016, em Viseu, estão agora compilados em livro.
A apresentação desta obra decorreu esta sexta-feira, 12 de outubro, na Casa do Miradouro, em Viseu, espaço que a coordenadora da obra, Catarina Tente, definiu como “a casa da Arqueologia”.
Ao longo de 400 páginas, a obra torna acessível ao público o resultado deste projeto de investigação sobre o património de Viseu, no período anterior à fundação da nacionalidade.
Para o Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques, o livro agora lançado “está e estará sempre incompleto”, porquanto “numa cidade com 2.500 anos de história” somos sempre impelidos a “ir mais longe”.
O autarca desafiou, por isso, Catarina Tente e a sua equipa de investigadores a prosseguirem o trabalho que desenvolveram em Viseu, com particular ênfase na Cava de Viriato, que de acordo com Almeida Henriques, “continua a ser um mistério”, pese embora os avanços da investigação.
“Do Império ao Reino – Viseu e o Território (Séculos IV a XII)” marca ainda o arranque da coleção editorial “Viseu Património”, que contará com a publicação de trabalhos científicos subordinados à história e ao património de Viseu ainda por publicar.
Neste particular, Almeida Henriques lançou um outro desafio, desta feita ao Vereador da Cultura, Jorge Sobrado, para dar continuidade a este projeto editorial. “Comece já a preparar o volume 2”, exortou, explicando que “desta forma estamos a deixar um legado para o futuro”.
Jorge Sobrado enfatizou que “esta obra dá cumprimento ao compromisso de realização da linha editorial municipal ‘Viseu Património’, com o objetivo de promover a disseminação do conhecimento científico nas áreas da arqueologia, história e património da cidade-região”. Ainda de acordo com o Vereador da Cultura, “reflete também a dinâmica de uma importante agenda de investigação histórica sobre a cidade”.
“Esta publicação é por isso uma conquista para o património histórico de Viseu e para o avanço e a democratização do seu conhecimento. Tornamos, assim, mais acessível informação relevante e atual sobre o papel e influência de Viseu na estruturação e evolução política do noroeste peninsular na Alta Idade Média e, especialmente, na pré-nacionalidade”, concluiu.