Primeiro-Ministro António Costa esteve em Celorico da Beira

O Primeiro-Ministro, António Costa, esteve no passado sábado no Concelho de Celorico da Beira, mais concretamente na Freguesia do Baraçal a fim de inaugurar a Obra de beneficiação da Estrada Municipal (EM 581), que faz a ligação entre o cruzamento da aldeia de Baraçal e o limite do Município de Trancoso, um investimento assumido na integra pela Câmara Municipal de Celorico da Beira.

António Costa, reconheceu o esforço dos Municípios na execução de investimentos nos seus territórios e referiu que as autarquias locais são, cada vez mais, “parceiros estratégicos do Governo no desenvolvimento” da economia.

O primeiro-ministro considerou ainda a sua presença como um momento simbólico muito importante, porque “é uma forma de expressar a gratidão e a solidariedade do Governo para com os municípios das zonas mais desfavorecidas do país, e pelo grande esforço que os autarcas destas terras fazem para servir as suas gentes e para promoverem o desenvolvimento e a coesão” do território.

Por seu turno, o Presidente da Câmara Municipal de Celorico da Beira, José Monteiro disse que a obra inaugurada, é uma requalificação necessária e urgente, dado o estado de degradação do pavimento, uma obra ansiada há mais de duas décadas pela população e que abrange não só os habitantes do Baraçal, Minhocal, Maçal do Chão e Vilares (esta última localidade pertencente ao Concelho de Trancoso), como também todos aqueles que utilizam esta via, promovendo-se assim a inter-municipalidade, de forma, a que assistamos ao desenvolvimento de uma região e não somente ao desenvolvimento de um concelho.

No seu discurso, disse ainda que a presente beneficiação, é a certeza de que ao longo destes anos sempre esteve ao lado de toda a população residente no concelho de Celorico da Beira, sem exeção, proporcionando com esta obra melhores acessos e consequentemente maior satisfação por parte dos residentes, pois também eles enquanto cidadãos têm todo o direito de ter acessos condignos para o seu local de habitação e trabalho.

O Município pretendeu com a execução desta obra, dotar a via de melhores condições aos transeuntes e em particular aos agricultores, uma vez que esta é uma zona maioritariamente rural.

José Monteiro, dirigiu-se ao Primeiro-Ministro dizendo: “É certo que esta obra não tem a dimensão de nenhuma autoestrada ou de uma outra situada num grande centro urbano, mas desde já, agradeço ao Senhor Primeiro-Ministro a sua disponibilidade em estar hoje aqui connosco, o que representa sem dúvida o reflexo da política de proximidade praticada pelo Senhor, enquanto Primeiro-Ministro e de todo o governo por si liderado, pois têm tido sempre um olhar atento para com o interior. No entanto, enquanto Presidente de Câmara, peço mais e mais para o interior, mais e mais investimento e acima de tudo que o Governo possa criar medidas ousadas para a fixação das gerações mais novas no interior, evitando assim, o êxodo dos nossos jovens para o estrangeiro”, sublinhou.
Luis Reis