Projeto que pretende aumentar o desempenho na administração dos aeroportos distinguido no Portugal Air Summit 2019

Um sistema tecnológico para aplicação em pavimentos de aeroportos e aeródromos, que está a ser desenvolvido por uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), conquistou o 2º lugar no concurso Portugal Air Summit 2019, que terminou ontem, 2 de junho, em Ponte de Sor.

 

O Prémio “Portugal Air Summit 2019”, patrocinado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), pretende reconhecer projetos que se destaquem por uma intervenção particularmente relevante e inovadora na área da ciência e/ou cultura aeroespacial.

 

Designado “WattAirWay”, que resulta das palavras Watt (unidade de potência elétrica – J/s), Airport, Taxiway e Runway, o projeto centra-se em dois grandes objetivos: a geração de informação útil para a administração aeroportuária e a geração de energia elétrica.

 

Tem como investigador principal Diogo Correia, aluno do Programa Doutoral em Sistemas de Transportes no Departamento de Engenharia Civil da FCTUC, no âmbito do Programa MIT-Portugal, sendo orientado pelo professor Adelino Ferreira, do Centro de Investigação do Território, Transportes e Ambiente (CITTA).

 

A informação que o WattAirWay gera corresponde à medição de vários parâmetros, nomeadamente o número de aeronaves que passam pelo caminho de circulação; carga total por aeronave, assim como a carga por roda resultando numa aferição da distribuição da carga no interior da aeronave; temperatura a várias profundidades no interior do pavimento do caminho de circulação a cada intervalo de tempo que for especificado; temperatura do ar à superfície do pavimento; humidade do solo de fundação do pavimento.

 

Esta informação «é fundamental para a avaliação da qualidade dos pavimentos do aeroporto, assim como para o desenvolvimento de modelos de comportamento dos pavimentos que permitem otimizar as intervenções de manutenção e reabilitação, reduzindo os custos para a administração aeroportuária. O sistema ainda permite a produção de energia elétrica pela passagem das aeronaves», explicitam Adelino Ferreira e Diogo Correia.

 

O sistema é inserido no pavimento dos caminhos de circulação do aeroporto ou aeródromo, locais onde as aeronaves circulam a baixa velocidade. Existem outras possíveis zonas de inserção do sistema, mas têm de ser suportadas por estudos rigorosos de modo a evitar qualquer risco de segurança.

 

O protótipo que está a ser desenvolvido, adiantam os investigadores, terá «uma cobertura em borracha reciclada de pneus usados e incluirá também componentes resultantes de reciclagem de plástico usado. Estas duas caraterísticas contribuem para a sustentabilidade ambiental do projeto. A utilização da borracha reciclada na cobertura do protótipo oferece um atrito superior ao pavimento normal, garantindo, deste modo, que a segurança na movimentação das aeronaves não é afetada».

 

Um dos pontos fortes do projeto é contribuir para um melhor desempenho da administração aeroportuária (recolha de dados para a tomada de decisão e geração de energia elétrica). Além disso, é amigo do ambiente, enquadrando-se no novo conceito da economia circular, promovendo a redução da pegada ecológica (utilização de borracha reciclada de pneus usados na cobertura do sistema e utilização de plástico reciclado em alguns dos seus componentes).

 

O sistema está a ser desenvolvido no âmbito do projeto PAVENERGY – Pavement Energy Harvesting Solutions (https://pavenergy.dec.uc.pt), cofinanciado pelo FEDER através do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização (COMPETE 2020) e por fundos nacionais através da FCT.