Teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser

OCUPAÇÃO DÍAS HÁBILES
11 a 30 de Setembro
Claustros do Mosteiro São Bento da Vitória

Durante duas semanas, Alfredo Martins e o Teatro Meia Volta e seus convidados ocupam os Claustros do Mosteiro de São Bento da Vitória com dois espetáculos, um filme, ao qual se seguirá uma conversa, e duas oficinas.

DÍAS HÁBILES. dias úteis. dias de trabalho.
descolonizar. (re)compor. experimentar. resistir. sentipensar.
imaginários. políticas. poesias. modernidades. porvires. respectivamente.

ENCONTRO DE ARGONAUTAS
Encontros
14 a 16 Setembro • 14h30-16h30

Convidam-se cidadãos estrangeiros residentes no Porto a partilharem connosco as suas experiências de viagem, chegada e integração. Os depoimentos dos participantes são registados em vídeo e integram a estrutura do espectáculo-debate NACIONAL-MATERIAL, PAISAGEM COM ARGONAUTAS.

NACIONAL-MATERIAL, PAISAGEM COM ARGONAUTAS
Espectáculo-Debate
20 a 23 Setembro • qua a sex 21h, sáb 19h

NACIONAL-MATERIAL, PAISAGEM COM ARGONAUTAS é um espectáculo-debate sobre imigração e integração de estrangeiros e seus descendentes nos países de acolhimento. Os espectadores são convidados a participar numa Assembleia onde se discute, simbolicamente, se Medeia, a estrangeira, pode permanecer em Corinto. Ensaia-se, aqui, uma Ágora, conquistando-se para o Teatro esta dimensão de debate e a possibilidade de testar os limites do poder do espectador no interior de um espectáculo. Tendo estreado em 2011 no TNDM II, este espectáculo conta já com uma longa carreira nacional e internacional, o que atesta a sua pertinência face à actualidade sociopolítica e, em particular, à recentíssima crise dos refugiados Africanos e do Médio Oriente.

EQUIPA DIRECÇÃO ARTÍSTICA – Alfredo Martins | CO-CRIAÇÃO E ESPAÇO CÉNICO – Alfredo Martins, Bernardo de Almeida, Cláudia Gaiolas, Ivo Serra, Luís Godinho, Margarida Carvalho | INTERPRETAÇÃO – Alfredo Martins, Bernardo de Almeida, Luís Godinho, Margarida Carvalho | VÍDEO – Ivo Serra | COPRODUÇÃO – teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser, TNDM II, Festival Internacional de Teatro de Almada

TÁCTICAS E ESTRATÉGIAS DO URBANO
Oficina
16, 23 e 30 Setembro • 10h-12h30
(máx 15 participantes)

Convidamos todos os interessados a participar numa oficina que ensaie possibilidades de pensar e fazer a cidade e o urbano, com e para lá da tática. Pretende-se agenciar tanto o “urban commoning” tematizado pelas iniciativas sul-americanas (apresentadas em espectáculo e documentário) numa cidade, como o Porto, actualmente tomada por um processo de turistificação.

ORIENTAÇÃO – Rui Santos
INSCRIÇÕES GRATUITAS – http://bit.ly/oficinatáticaseestratégiasdourbano

DÍAS HÁBILES
Espectáculo-Ritual
27 a 30 Setembro • qua a sex 21h, sáb 19h

O passado colonial da América do Sul, os seus múltiplos regimes ditatoriais, os fortes contrastes sociais e a pressão exercida pelas grandes potências para exploração dos seus recursos naturais colocam os países deste subcontinente sob um estado contínuo de tensão, empurrando-os para uma constante renegociação de imaginários e processos de construção identitária. Este “orbis novus” a construir oferece-se como espaço de ensaio simultaneamente festivo e doloroso sobre modos outros de fazer e conhecer. Em 1940, os poetas argentinos Godofredo Iommi, Efraín Tomás Bo e Juan Raúl Young, juntamente com os brasileiros Gerardo Mello Mourao, Abdías do Nascimento e Napoleón Lopes Filho, formam “La Santa Hermandad de la Orquidea” e, sob o lema “Dante ou nada”, iniciam uma travessia da América do Sul pelo Rio Amazonas, tomando a poesia como instrumento de exploração e inauguração dos lugares diferenciais. Entre Março e Junho de 2015, Alfredo Martins e Rui Santos atravessaram parte do subcontinente sul-americano – Brasil, Argentina, Chile, Bolívia, Perú, Equador e Colômbia. Partindo da própria experiência do viajar, dos materiais recolhidos e de projectos de autogestão visitados, propõem-se pensar, em conjunto, as linhas de tensão e diálogo entre o político e o poético na praxis das “utopias concretas”. Ensaiando um espaço ritualizado de encontro com o público, o espectáculo DÍAS HÁBILES constrói-se como uma cerimónia, um acto colectivo de celebração. A viagem é homilia de paganismos seculares e múltiplos – pretexto de reflexão em torno de projectos poéticos de construção do comum. “Dante ou nada”, como um manifesto, um espaço da invenção, um jogo, a possibilidade de um diálogo intercontinental, pluriversal. A possibilidade da recuperação – a construção de utopias concretas – se imaginada uma outra possibilidade, atroz e difícil: a de uma morte civilizacional.

EQUIPA DIRECÇÃO ARTÍSTICA Alfredo Martins CO-CRIAÇÃO – Alfredo Martins e Rui Santos DESENHO DE LUZ – Cárin Geada e João Teixeira MÚSICA – João Pais Filipe (Percussões), Julius Gabriel (Electrónica e Sopros) VÍDEO – Paulo Américo COPRODUÇÃO – TMV, Teatro Nacional São João RESIDÊNCIAS DE CRIAÇÃO – O Espaço do Tempo (Montemor-o-Novo), CasaLapa (Rio de Janeiro), Centro de Criação de Candoso (Guimarães), Centro d’Artes de Aljustrel

UM FILME DE MANOEL CONGO
Filme + Conversa
30 Setembro • 15h-17h
(antestreia)

Um dos projectos de auto-gestão visitados em 2015 por Alfredo Martins e Rui Santos foi a Ocupação Manoel Congo, do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM), no centro do Rio de Janeiro. Em 2016, voltam à Ocupação e, durante um mês, acompanham e filmam o seu dia-a-dia. Com este registo visual, espera-se dar continuidade ao debate em torno das possibilidades e limites da praxis autogestionária. Falar-se-á de (in)justiças socioeconómicas e ecológicas, de desobediência civil, de organização colectiva, de projectos e cosmovisões emancipatórias no século XXI; enfim, das ferramentas associadas à construção de territórios diferenciais, no Brasil de hoje, e no mundo.

PARTICIPAÇÃO – Moradores e trabalhadores das Ocupações Manuel Congo e Mariana Crioula; Alfredo Martins e Rui Santos | IDEIA E PESQUISA – Alfredo Martins e Rui Santos | IMAGEM E SOM – Alfredo Martins e Rui Santos | MONTAGEM E DESENVOLVIMENTO CONCEPTUAL – Helena Inverno | CO-PRODUÇÃO – Alfredo Martins e Rui Santos | APOIOS – teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser, Movimento Nacional de Luta pela Moradia, Teatro Nacional São João, ISCTE-IUL, NARUA/UFF, FCT, CAPES, LapaCasa | AGRADECIMENTOS – Graça Cordeiro, Luciana Lago, Irene Mello, Renata Gonçalves, Alessandra Barreto, Ana Paula Baltazar, Pamela Jean Croitorou, Clovis Levi, Valéria Martins | AGRADECIMENTOS ESPECIAIS A TODOS OS ENTREVISTADOS: Lurdinha, Elisete, Henrique, Ivanir, Cid, Edivaldo, Nádia, Júlia, Eduardo, Neide, Antônio, Celine, Jasmim, Angelita, Gião, Jaqueline, Zezé, Wilson, Vinicius, Gustavo, Augusto, Elaine, Elcy, Mónica, Viviane, Raquel, Alina

ESTRATÉGIAS PERFORMATIVAS DE EXPLORAÇÃO DO ESPAÇO URBANO
Oficina
28 e 29 Setembro • 10h-12h30
dirigida a alunos e profissionais das artes performativas

Esta oficina procura explorar estratégias performativas de exploração do espaço público, experimentadas no contexto de projectos dirigidos por Alfredo Martins e também por outros artistas.

ORIENTAÇÃO – Alfredo Martins
INSCRIÇÕES GRATUITAS – http://bit.ly/oficinaestrategiasperformativasdeexploraçãodoespaçourbano