TOMADA DE POSSE DOS NOVOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS | S. JOÃO DA PESQUEIRA

No passado dia 24 de Outubro, no Salão Nobre dos Paços do Município, teve lugar o ato de instalação da Câmara Municipal e da Assembleia Municipal de S. João da Pesqueira, tendo sido empossados os eleitos que exercerão funções nos próximos quatro anos (2017-2021).

Assistiram a esta cerimónia inúmeros convidados e munícipes, que encheram por completo o Salão Nobre.

Depois de terem prestado juramento, e assinado a ata de posse, todos os elementos que constituem os órgãos autárquicos, usou da palavra o novo Presidente da Câmara, Dr. Manuel Cordeiro, que começou por agradecer a presença de todos, na cerimónia de tomada de posse do novo Executivo da Câmara Municipal e da Assembleia Municipal de S. João da Pesqueira.

Prosseguiu e disse (Discurso integral)

“Palavras são palavras e tudo o que disser hoje poderá ser pouco ou ao invés muito face ao que viermos a desenvolver nos próximos 4 anos. Mas das palavras resultarão também inevitavelmente compromissos, e por isso se pronunciadas com seriedade, as palavras valerão muito.

Uma primeira palavra devo dirigir aos muitos homens e mulheres que aqui estão hoje, que, quando há 4 anos poucas pessoas acreditavam, sempre me apoiaram, não desistiram e deram o seu incentivo totalmente desinteressado e a sua presença e força, uns como candidatos, outros como apoiantes; este incentivo para que pudesse liderar um grande movimento de cidadania Pela Nossa Terra neste nosso concelho de S. J. Pesqueira.

A minha principal palavra de agradecimento é para vocês, sem os quais, sozinho, nada conseguiria.

Embora seja para mim um motivo de orgulho e de grande satisfação receber este encargo de presidir aos destinos do nosso concelho, não me sinto deslumbrado por ser hoje o Presidente da Câmara, pois, ciente que estou da grande responsabilidade que sobre mim e sobre nós recai.

Dizia durante a campanha eleitoral que a nossa caminhada era uma caminhada de Esperança e que “sabia que esperavam muito de mim”; pois bem, hoje assumo perante vós que estarei à altura do que de mim é esperado.

Como Presidente da Câmara, cumprir-me-á trabalhar arduamente e com afinco, dando o melhor de mim, dignificando a função de Presidente da Câmara Municipal e abrindo caminho ao desenvolvimento tão necessário.

Mais do que obras, necessárias que sabemos que são, exige-se um mandato de rigor e transparência para gerir os dinheiros públicos que nos são confiados, sempre com o sentido do interesse público e do que é a coisa pública.

Estou aqui para trabalhar, estou aqui para fazer o que considero correto, não olharei a interesses instalados nem a qualquer ilegítimo benefício próprio ou alheio.

Não sou dono de nada, ninguém é dono de nada, O concelho é de todos!

O mandato que hoje se inicia, sem qualquer soberba, abre necessariamente um novo ciclo político no concelho de S. João da Pesqueira;

E esse, será um ciclo de rigor nas contas municipais e na sua organização interna, por um lado, e de desenvolvimento, por outro.

Um desenvolvimento social, económico e cultural, correspondendo às expectativas dos pesqueirenses, a nível do que deve ser o investimento público, e ao espírito empreendedor de tantos que a nível particular nesta terra investiram e pretendem investir e que terão necessariamente de ser apoiados e acarinhados. O desenvolvimento não se faz apenas com investimento público.

Meus senhores,

Enquanto Presidente da Câmara farei ouvir a nossa voz junto do Governo Central, bater-me-ei, egoisticamente talvez, por um país mais igualitário, ou seja, por fazer compreender e reivindicar mais atenção e mais oportunidades para o nosso concelho, um concelho que tanto dá ao nosso país e que pouco recebe dele… Nós merecemos mais, as pessoas do meu concelho merecem mais.

Bem sei que muitas oportunidades de investimento público se perderam, mas o país continua a ser assimétrico, desigual, e o nosso concelho tem sido, infelizmente, um bom exemplo disso mesmo.

O Poder central tem de nos ouvir, terá de nos atender, e mais ainda, num tempo em que se prevê a transferência de novas competências para as autarquias, o que poderá revelar-se um incentivo para valorizar os nossos recursos.

A proximidade das autarquias, camaras e juntas, às pessoas e à realidade local, servirá como obrigação e poder-se-á de facto fazer melhor, temos condições para fazer melhor e mais justamente.

Minhas Senhoras e meus Senhores,

Pese embora tivéssemos atingido a maioria absoluta, garanto-vos que procurarei encontrar consensos com quem aqui esteja de boa-fé e que, como eu, pretenda um concelho mais desenvolvido e que ofereça mais bem estar às suas populações.

Aceitarei sempre a colaboração de todos e com mais vontade ainda o acolhimento de propostas que venham a apresentar, bem como as críticas, se legítimas, que venham a fazer à minha administração na Câmara.

Saberei ouvir todos, pois não sabemos tudo, mas, como Fazer política é tomar opções, saberei também sempre decidir … sem hesitação.

Meus amigos,

As opções fundamentais do que vai ser o nosso mandato não são novidade para ninguém, elas foram tomadas há muito.

Fui claro e anunciei publicamente ao que vinha: rigor nas contas, reorganização dos serviços internos e aposta na libertação de recursos para o desenvolvimento económico, social e cultural.

Não me afastarei um passo destes compromissos para com uma população que confiou em mim.

Exigirei aos nossos trabalhadores e colaboradores rigor, exigirei trabalho, exigirei compromisso.

Procurarei responder às necessidades dos munícipes, serei a mesma pessoa que sou hoje, mas peço lhes também compreensão e entendimento de que nem tudo é possível … e que a igualdade para todos significa que um sim tem tanto valor como um não, quando a justiça é a prioridade.

Chamarei ao diálogo todos quantos fora da camara estejam disponíveis para um projecto comum de desenvolvimento do nosso concelho.

São essas as condições para sermos um concelho onde existe real coesão social e cultura, que nos façam a todos livres e iguais, e um ambiente de crescimento económico optimista que liberte e não condicione a sociedade.

Queremos construir oportunidades para todos, os que estão cá, os que possam voltar e os que aqui querem apostar, num concelho dinâmico, empreendedor e que se orgulhe do que é, e do que mais pode vir a ser.

Sei que não é fácil, e não espero contar apenas com a sorte, pois “a sorte ajuda algumas vezes, mas o trabalho ajuda sempre”.

Não faremos tudo ao mesmo tempo, não temos medo de “crescer lentamente, mudar lentamente”, pior é ficar parados.

Como diz um proverbio japonês “Até a jornada de mil milhas começa com um pequeno passo.”

Meus senhores e minhas senhoras,

Tenho a certeza de que, com o nosso trabalho, com um trabalho empenhado, com um trabalho sério, e com a ajuda de todos, faremos muito, faremos seguramente um concelho melhor.

Não temos outra opção nem outro caminho. O caminho é trabalhar e fazer valer o nosso concelho, o nosso valor,…. o nosso orgulho como pesqueirenses…

Muito obrigado.”

Manuel Cordeiro

Órgãos Autárquicos eleitos para o quadriénio (2017 / 2021)

Executivo Municipal
Manuel António Natário Cordeiro (Presidente da Câmara Municipal – PNT), Eduardo Jorge Pereira Rocha (Vereador – PSD), José Luís Cardoso Rodrigues (Vice-Presidente – PNT), José Vítor Fernandes Sobral (Vereador – PSD), Jorge Manuel da Fonseca Andrade (Vereador – PNT).

A Assembleia Municipal
Agostinha Meneses Fonseca Veiga (Presidente da Assembleia Municipal), Francisco José Tavares Pereira (Deputado Municipal), Luís Manuel Saraiva Paíga (Deputado Municipal e 1º Secretário), João Olindo da Fonseca Magalhães Soares Monteiro (Deputado Municipal), Susana Maria Catarino dos Santos (Deputada Municipal), António Carlos Aguiar Vicente (Deputado Municipal), Marcolina Adelaide Ferreira Sequeira (Deputada Municipal), Rosa Emília Gonçalves Azevedo Teixeira (Deputada Municipal), Vítor Adelino Porfírio Tomé (Deputado Municipal), Joaquim Alberto dos Santos Carvalho (Deputada Municipal), Fernando José Martins Pereira (Deputado Municipal), Luís Filipe Fonseca Pina (Deputado Municipal e 2º Secretário), Adelino do Nascimento Lopes (Deputado Municipal), Eduardo Manuel Dâmaso Frederico (Deputado Municipal), Raul de Jesus Cordeiro Fernandes (Deputado Municipal), José Manuel Guedes Vilas Boas (Deputado Municipal), Manuel Sebastião Vasques Mesquita (Deputado Municipal).

Juntas de Freguesia
António Augusto da Costa (Presidente da União de Freguesias de Vilarouco e Pereiros – PSD), António Jorge de Jesus Silva (Presidente da Junta de Soutelo do Douro – PSD), António Manuel Froufe Bastos (Presidente da União de Freguesias de Trevões e Espinhosa – PSD), Artur Adriano Tiago Ferreira (Presidente da União da Freguesias de S. João da Pesqueira e Várzea de Trevões – PNT), Eduardo Augusto Dias Coelho (Presidente da Junta de Freguesia de Nagoselo do Douro PNT), José Carlos Cabral (Presidente da Junta de Freguesia de Riodades – PSD), José Fernando dos Santos (Presidente da Junta de Freguesia de Paredes da Beira – PNT), José Manuel Guedes Vilas Boas (Presidente da Junta de Freguesia de Castanheiro do Sul – UPCS), Manuel Sebastião Vasques Mesquita (Presidente da Junta de Freguesia de Ervedosa do Douro – PNT), Mónica Catarina Lino Pacheco Barreleiro (Presidente da Junta de Freguesia de Valongo dos Azeites – PNT), Teófilo Alexandre Ramos dos Anjos (Presidente da Junta de Freguesia de Vale de Figueira – PSD).

Representantes na ANMP
Como representantes dos Presidentes das Juntas de Freguesia junto da ANMP – Associação Nacional de Municípios Portugueses, foram eleitos Eduardo Coelho e José Vilas Boas (Suplente).