Tranglomango apresentam o novo álbum: VIRGÍNIA

Os Tranglomango, continuando a criar temas originais naturalmente inspirados pela cultura popular pelo facto de viverem toda a vida imersos nela, redescobrem assim à sua maneira disfuncional-adulta estas vísceras do passado tornadas canto, e no outeiro dos dias que concorrem ao bit, jogam-nas ao lado das suas próprias composições. Estragámos um bocado aquilo – comentam sempre entre si acerca de algum arranjo que tenham feito a um tema tradicional, em tom de brincadeira. Na verdade as fronteiras em música, como outras, são criadas por nós por facilidade de catalogação e/ou conveniência social, fronteiras essas que em Virgínia os Tranglomango esbatem instintivamente por necessidade artística e pessoal.

A maior parte de Virgínia é constituída por música original, alguma já rodada entretanto ao vivo, e outra estreada no disco. A música reflecte o percurso que vêm tendo desde o primeiro álbum Más Línguas, com muitos concertos pelo caminho, e ainda a proximidade tida noutros trabalhos com diversas comunidades e grupos de música tradicional. A criatividade e a vontade de experimentar estão bem presentes no contraste verificado entre as onze canções do álbum, desde o dançar para fora e o viajar cá dentro. Festa, amor, trabalho, terra, dor, o destino e a força de o mudar, as histórias de cada um e o tempo são as linhas com que os Tranglomango se cosem em Virgínia.

Virgínia conta com a participação especial de António Serginho (percussões em Caçoila Velha), Cantadeiras de Sobral de Pinho (vozes em Canção das Vindimas), Catarina Valadas (flauta em Pata de Coelho) e Francisca Costa aka Kika G (rap em Chão do Fim do Mundo).
Este é o segundo álbum da banda e tem o carimbo GiraDiscos da Gira Sol Azul.

Concerto de lançamento:
8 de Junho | Teatro Viriato (Viseu)