Viseu discute desafios para Portugal enquanto melhor destino turístico mundial

Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos escolheu o Centro de Portugal para o seu Congresso anual.
O Montebelo Viseu Congress Hotel, em Viseu, é o palco, até hoje, dia 2 de fevereiro, do 6.º Congresso da APECATE – Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos. O evento apresenta como tema central “Portugal Melhor Destino Mundial – Como Potenciar?”, uma temática particularmente atual.

O primeiro dia do Congresso teve como principal destaque a Sessão de Abertura, que contou com a participação de António Marques Vidal, Presidente da Direção da APECATE, Ana Mendes Godinho, Secretária de Estado do Turismo, Pedro Machado, Presidente do Turismo Centro de Portugal, e António Almeida Henriques, Presidente da Câmara Municipal de Viseu.

“Como potenciar Portugal como o melhor destino mundial? Obviamente, com os agentes de animação turística e eventos”, começou por adiantar Pedro Machado, que sublinhou o papel fundamental das empresas deste ramo. “São parceiros estratégicos na gestão e planeamento de um destino, pois ajudam a qualificar e põem na agenda os eventos turísticos. Assumem também um papel muito importante no desenvolvimento de rotas e itinerários temáticos. São particularmente relevantes no posicionamento do destino, nomeadamente com eventos ligados à ‘meeting industry’, que podem acontecer durante os 365 dias do ano. Finalmente, são também especialistas na comunicação dos territórios e produtos a partir da vivência das experiências”, considerou.

Pedro Machado frisou também o trabalho que tem sido feito na ligação entre os territórios, nomeadamente com o desenvolvimento de produtos turísticos integrados das Comunidades Intermunicipais. “Tem havido um trabalho cumulativo e progressivo de aproximação cada vez maior entre aquilo que é a vontade dos municípios, o seu trabalho de promoção de produtos e dos seus recursos, numa lógica de promoção de comunicação e de internacionalização. Esta lógica, de que os municípios são os atores principais, tem muito a ver com a capacidade do sucesso e do crescimento que todos estamos a atingir e que a região Centro de Portugal, em particular, também está a conquistar”, acrescentou.

António Marques Vidal destacou o facto de a associação ter escolhido a cidade de Viseu e a região Centro de Portugal como palco do encontro. “Não é por acaso que este Congresso é feito em Viseu. Independente de todas as razões, havia este ano mais uma: para a APECATE era importante ajudar o Centro de Portugal a ultrapassar as situações que aconteceram em 2017”, disse. O presidente da associação realçou também a qualidade dos painéis que estão em discussão. Nos próximos dias, os congressistas vão abordar assuntos como “Região Centro – Os Grandes Desafios”, “Criar Destino – Como Articular Sinergias”, “Internacionalização – O Caminho Imprescindível”, “Qualificação – Mudar De Paradigma?” e “Estruturar o Setor – Como Potenciar a Nomeação de Portugal Como Melhor Destino do Mundo?”

O anfitrião António Almeida Henriques realçou o facto de Viseu estar “a viver um momento de forte redescoberta e afirmação enquanto destino turístico”. “O país está a crescer turisticamente como nunca, mas nem todas as cidades médias estão a aproveitar esta boleia. Nós temos procurado aproveitar esta nossa cidade-região, que tem um ecossistema preparado para receber turistas e eventos, até pela qualidade da sua oferta hoteleira. Viseu é uma cidade que combina muito bem a sua História com a modernização, a tradição com a inovação”, considerou. “Estamos a crescer muito, mas temos margem para crescer mais ainda, com uma estratégia no turismo qualificado, nos segmentos da cultura e património, enoturismo, natureza, eventos e negócios”, disse ainda, antes de revelar uma grande aposta para o próximo ano: “Em 2019, passaremos a ter a maior sala de espetáculos da região Centro, o Viseu Arena, sala de espetáculos para 7000 pessoas e preparada para acolher congressos até 4000 pessoas”.

A Secretária de Estado do Turismo enfatizou as sucessivas distinções internacionais que Portugal tem recebido na área do turismo: “Desde que recebemos estes prémios internacionais, o número de países que procuram Portugal para perceber o que está a acontecer no nosso país é inacreditável. Nas últimas duas semanas, recebi cinco ministros do turismo de vários países e o secretário-geral da Organização Mundial de Turismo, que vieram testemunhar como o turismo pode ser importante na mobilização de todo um país e na sua transformação económica”.

“Temos sido capazes, através de investimentos públicos e privados, de transformar a nossa autenticidade em produtos inovadores, que deixam quem nos visita muito impressionados. Tem também havido uma forte aposta na acessibilidade aérea, que é crucial. Nos últimos anos tivemos mais 170 ligações aéreas a mercados que nos interessam trabalhar, como Estados Unidos, Brasil, Canadá ou China. Também nisso, é essencial estarmos a trabalhar com as empresas, que são quem identifica os mercados”, continuou Ana Mendes Godinho. “Nos objetivos para os próximos 10 anos, assumimos a necessidade de desconcentrar a procura no território e ao longo do ano. Para isso, é fundamental dinamizar cada vez mais os territórios do interior. Onde é preciso inovação e investimento é no interior. Este é o território do futuro, com mais capacidade de crescimento. A oportunidade está aqui”, disse ainda.