VISITA SENSORIAL CONVIDA A REDESCOBRIR ACERVO MUSEOLÓGICO

Estreia de Às cegas resulta da longa parceria entre Teatro Viriato e Museu Nacional Grão Vasc

O Teatro Viriato estreia no próximo sábado, dia 09 de fevereiro, Às Cegas – Visita pela Mão dos Tesouros Nacionais e Acervo do Museu Nacional Grão Vasco. Uma visita sensorial construída pela bailarina Leonor Barata, com a cumplicidade de Henrique Amoedo (Dançando com a Diferença) que propõe o impossível: ver sem ver. Ao longo de aproximadamente 60 minutos, o público é convidado a redescobrir o Museu Nacional Grão Vasco através do tato, do cheiro e dos ouvidos, assim como a serem guiados pela mão de alguém. Terá o público coragem para ser guiado? Será capaz de confiar? Cegamente?

No ano em que o Teatro Viriato celebra 20 anos de existência, o Teatro Viriato regressa ao Museu Nacional Grão Vasco com uma nova criação artística que serve de pretexto para uma reflexão Às Cegas, sobre a possibilidade de apreciar os tesouros deste espaço museológico anulando a visão, bem como de absorver conhecimento sem o verificar. Mas também sobre uma prática artística que anula a visão como primeiro sentido. “O Museu é para ser visto. Com os olhos. Não podemos tocar nas obras expostas e devemos manter o silêncio. Nesta visita propomos um impossível – ver sem ver”, explica Leonor Barata, guia nesta visita que reforça que o público será guiado pela mão de forma a “conhecer as histórias daquelas obras. As Histórias que estão e que não estando é como se estivessem”. Com o processo artístico desta visita, Henrique Amoedo, do Dançando com a Diferença, descobriu um novo significado para a frase de O principezinho: “O essencial é invisível aos olhos”, assegurando que com este trabalho é possível redescobrir novos mundos no Museu Nacional Grão Vasco.

ÀS CEGAS resulta da relação que o Teatro Viriato e o Museu Nacional Grão Vasco têm construído, ao longo dos anos, através de projetos artísticos com implicações na comunidade que ambas as instituições servem.

Transformar ideias preconcebidas sobre os museus e sobre as artes perfomativas tem sido um dos pilares desta forte parceria, numa lógica de aproximação e sensibilização de diversos públicos.

Em 2010, o Teatro Viriato lançava o convite à coreógrafa Aurélie Gandit, para recriar Visitas Dançadas para o Museu Nacional Grão Vasco. Um projeto seu já apresentado no Museu Nacional de Belas Artes de Nancy (França) mas inédito em Portugal. Em residência artística “in situ”, a coreógrafa voltou assim a fundir a história de arte com a dança. Em cada visita, era gerada uma clara aproximação entre o público e o espólio museológico, permitindo assim uma melhor apropriação das obras de arte, e uma diferente abordagem e compreensão da História de Arte. Leonor Barata foi a intérprete responsável por dar corpo e palavra a um discurso dançado, sarcástico, curioso, acelerado, por vezes nonsense que alimentava o fascínio, a admiração e a emoção do público. Depois desta experiência de sucesso, o projeto voltou a ser apresentado em 2011 e 2012.

O Teatro Viriato e o MNGV voltaram a fortalecer a parceria, em 2016, com uma nova visita dançada, tendo novamente Leonor Barata como intérprete, acompanhada, desta vez, pela artista multidisciplinar Patrícia Portela. Ambas lançaram novas questões sobre a coleção permanente do MNGV através do discurso dramatúrgico e da dança. Tal como frisava Leonor Barata na altura, com Revisitar regressava aos mesmos lugares com novos olhos e novos gestos, propondo uma descoberta de novas sensações e sentidos.

No centenário do MNGV, o Teatro Viriato voltou a esse espaço com Miguel Fragata e Ana Bento a contarem a história “não oficial” de Vasco Fernandes e a história de um dos seus quadros mais famosos, o Painel de S. Pedro. Combinando a pintura, o museu, o pintor, o teatro e a música, propuseram um olhar sobre esta tão importante obra e sobre as mãos que a pintaram.

A nova visita sensorial, que estreia no dia 09 de fevereiro, terá apresentações para público geral (maiores de 16 anos) e para público escolar (Ensino Secundário e Ensino Superior), com datas agendadas até ao final do ano.